POR UMA UDESC POPULAR!

POR UMA UDESC POPULAR!

Nota política da Juventude Comunista Avançando de Santa Catarina

A gestão Araponga do DCE Antonieta de Barros se encerra neste mês. Com ela, presenciamos a conclusão de uma etapa importante da história do movimento estudantil da UDESC, que teve início em 2018, quando alguns centros acadêmicos se reuniram para iniciar uma tarefa árdua: reativar o DCE depois de mais de uma década de inatividade. De lá até aqui, nossa universidade foi marcada por um salto no nível de mobilização e organização estudantil, e a Juventude Comunista Avançando integrou todo este processo. 

A realização do Congresso Estudantil em 2018 teve como saldo de seus debates muito mais do que a reativação do CEB (Conselho das Entidades de Base): criou-se ali, naquele final de semana mal dormido em colchões no bloco das Artes Cênicas do Campus 1, um vínculo entre estudantes de todo o estado que é próprio do reconhecimento que só a luta organizada traz. Foi esse congresso que acendeu a chama para o caminho de vitórias que o Movimento Estudantil da UDESC trilharia. Essa é a mesma chama que renova nossa convicção a cada conquista do movimento estudantil – foi vendo a vontade de seus pares que os estudantes se reconheceram e, com muito esforço, deram nova vida à sua entidade de representação máxima.

Nesse trajeto, nem tudo saiu como planejado. Em 2019, o grupo de estudantes que havia passado os últimos anos construindo e reorganizando o movimento estudantil teve que presenciar uma chapa sectária, formada por estudantes que desconheciam o dia a dia do ME da UDESC, ganhar a primeira gestão do DCE depois de sua reativação. Nessa ocasião, aprendemos que nosso esforço e nossas vitórias não devem ser vistas apenas com humildade: é necessário lembrar, gritar, panfletar, reivindicar o resultado dos finais de semana sem descanso dos responsáveis pelas conquistas estudantis. Convivemos, então, com uma gestão de 2 anos que fez mais reuniões com a reitoria do que com os estudantes, que realizava processo seletivo para dizer quem poderia e quem não poderia construir a entidade, que não cumpriu seu papel de direção do movimento estudantil em seus anos de maior vulnerabilidade marcados pela pandemia. Essa gestão só não foi capaz de destruir o trabalho feito nos anos anteriores pois aquele mesmo grupo, responsável pela reativação do DCE, manteve a mesma dedicação de sempre após a derrota nas eleições.

Fomos nós, e aqui nos referimos à JCA bem como a todos aqueles que estiveram à frente nas lutas dos estudantes da UDESC, que garantimos o mínimo de dignidade ao corpo discente durante o ensino remoto em 2020. Nós que éramos vistos como movimento estudantil, não o grupo corporativista que ocupava o DCE.

O bom trabalho desses anos foi reconhecido pelos estudantes e, em 2021, a chapa Araponga aglutinou aqueles que se alinhavam com essa história e saiu vitoriosa da segunda eleição para o DCE Antonieta de Barros. Desse processo herdou também uma tarefa tão árdua quanto as que já havíamos enfrentado: reavivar o movimento estudantil e organizar os estudantes para enfrentar as dificuldades adjacentes do retorno presencial das aulas, após dois anos de ensino remoto. Tudo isso com um corpo discente com outra cara, formado por uma leva expressiva de estudantes que ainda não conheciam a universidade.

Antes mesmo do retorno presencial, o DCE em sua nova gestão passou a ter reuniões abertas periodicamente. Nessas reuniões, estudantes de todo o estado deliberaram a reivindicação pelo comprovante vacinal para as aulas presenciais, que viria a ser conquistado pelo DCE a partir da representação estudantil no CONSUNI, apesar da forte oposição dos setores alinhados à reitoria. Nessas reuniões, discutimos os planos de contingência formulados por cada centro para o retorno presencial e conseguimos intervir, apesar de toda a dificuldade causada pela descentralização desse planejamento, a favor da segurança sanitária da comunidade acadêmica. Articulamos ações conjuntas entre categorias, nos aproximando e solidarizando com as pautas dos docentes e técnicos. E foram nessas reuniões, após o retorno presencial, que identificamos o agravamento de uma questão histórica enfrentada pelo movimento estudantil da UDESC: a questão da alimentação. 

Desde então, o DCE Antonieta de Barros vem dirigindo uma das maiores e mais extensas mobilizações estudantis da história do ME da UDESC. Iniciamos um movimento de luta por melhorias na infraestrutura universitária e nos programas de permanência. Lutamos pela abertura imediata do RU no campus I e por soluções nos campi mais afastados, exigindo sempre a criação de um subsídio que contemplasse todos os estudantes garantindo acesso à alimentação a todo o corpo estudantil. A mobilização dos estudantes trouxe resultado: marmitas gratuitas enquanto o Restaurante Universitário não era reaberto e uma nova categoria no PRAFE de subsídio parcial para a alimentação. São vitórias parciais, ainda que importantíssimas, e a luta deve continuar! Essas conquistas são do movimento estudantil, liderado por um DCE ativo e coerente, e evidenciam a importância de estarmos organizados e alinhados em torno das nossas demandas mais sentidas e do dever da nossa entidade máxima de direcionar a luta dos estudantes.

Na última década, a Juventude Comunista Avançando teve papel central no desenvolvimento do ME da UDESC e na reconstrução do Diretório Central dos Estudantes. Lutamos e dirigimos a mobilização por um DCE combativo, que luta pelos direitos dos estudantes, pela permanência estudantil e pela democracia universitária, princípios que nortearam a atual gestão e que seguem sendo prioridade. De todo modo, seguem grandes os desafios para o próximo período, e, para darmos continuidade ao bom trabalho que vem sendo feito pelo Movimento Estudantil, é necessário reeleger o grupo político da atual gestão. 

A atual coalizão que dirige o DCE provou que é o remédio necessário à desmobilização e à desarticulação que abatem os estudantes da UDESC em muitos momentos. Nesse sentido, entendemos que é preciso fortalecer a unidade entre os setores que se alinham à luta por uma sociedade mais justa e igualitária na condução desta importantíssima entidade do movimento estudantil catarinense, e que avance a luta pela construção de uma universidade verdadeiramente popular. É preciso que o bom trabalho dessa gestão tenha continuidade dada as precárias políticas de permanência e de acesso à UDESC, que não condizem com a proporção de recursos que a universidade dispõe. É essencial que a luta por melhores condições de permanência avance pela construção de RUs nos demais campi, bem como na exigência de que a universidade crie um subsídio linear para garantir o acesso ao direito básico da alimentação junto de melhorias nos programas existentes como o PRAFE, que são altamente burocratizados e insuficientes para suprir a necessidade dos estudantes. Dentro desse cenário, é preciso também alavancar a luta por moradia estudantil, outra política essencial para que os estudantes tenham condições mínimas para completar sua formação. Que sejam retomados pelo ME os debates sobre o acesso à nossa universidade, que possui uma política de cotas excludente, para que se conquiste resoluções condizentes à realidade do nosso país – reivindicação essa que, aliada a políticas de permanência, garante que estes estudantes possam concluir seus cursos com qualidade e dignidade. 

Diante de todos esses desafios na continuidade da construção da luta estudantil, é preciso olhar para a realidade da nossa universidade, que se encontra em mais de dez cidades do estado, e caminhar para a verdadeira estadualização do movimento estudantil da UDESC, avançando  na reconstrução e no fortalecimento das entidades de base, assim como na capilarização do DCE nos demais campi.

O ano de 2022 apresentou grandes desafios para o ME da UDESC, que foram enfrentados com seriedade pela atual gestão do DCE, apesar das gerações de estudantes que ingressaram nos períodos remotos e a dificuldade de reconstruir o movimento estudantil depois da pandemia. Agora, é preciso encarar mais uma vez o desafio de fortalecer o movimento estudantil da universidade a partir da eleição de sua entidade mais importante. 

Apesar do cansaço, e do turbilhão de dificuldades que o período eleitoral nacional nos traz, é preciso fazer acontecer as eleições do DCE enquanto ainda há vida estudantil na universidade este ano. O atraso do processo eleitoral contribui para a dificuldade de construir a entidade e a falta de sua referência para os estudantes. No entanto, o ME não pode ignorar a centralidade destas eleições burguesas para enfrentar o fascismo: estando em jogo o rumo do nosso país e a vida do nosso povo, seria inconsequente fazer um calendário eleitoral para o DCE que desconsiderasse a necessidade de se dedicar à tarefa principal deste ano que é derrotar Bolsonaro e seu projeto nas ruas e nas urnas. Portanto, defendemos construir as eleições nas próximas semanas, mas com um prazo longo, que nos permita definir a nova diretoria da entidade com qualidade, fazendo um bom debate político com os estudantes, ainda antes do período final desse semestre e sem menosprezar as eleições nacionais.

Avançar pela continuidade da luta estudantil e por sua estadualização na UDESC! 

Por melhores condições de ingresso e permanência! 

Pelo fortalecimento das entidades de base! 

Pela autonomia universitária e por uma universidade popular: vida longa ao Movimento Estudantil da UDESC!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.