Combater o golpismo fascista em Santa Catarina e avançar contra a agenda das oligarquias e do imperialismo

Combater o golpismo fascista em Santa Catarina e avançar contra a agenda das oligarquias e do imperialismo

As eleições gerais de outubro serão momento decisivo para a vida do povo trabalhador brasileiro e catarinense. Viveremos nos próximos meses um momento definidor para o futuro da luta dos trabalhadores contra a miséria, pelo que restou do patrimônio nacional e contra as condições desumanas de trabalho e de vida que o imperialismo e as classes dominantes nos legaram. Dentre os setores populares e a grande massa, a candidatura de Lula expressa o sentimento antibolsonaro e reúne as condições políticas para causar uma derrota ao imperialismo. Sua candidatura e campanha serão momento decisivo da luta política em nosso continente a curto prazo, e os resultados da eleição serão definidores das condições de luta que enfrentaremos. Eleger o ex-presidente é o momento mais importante da eleição para a massa do povo, e a disputa entre ele e Bolsonaro será a grande polarização nacional. A prioridade eleitoral de todos os candidatos, para todos os cargos, a nível nacional, é apoiar o esforço neste sentido que é o prioritário e mais decisivo.

Vencer Bolsonaro, sua política de golpismo e toda a agenda de destruição social do imperialismo é o centro dessas eleições. Causar uma derrota ao fascismo e à política do imperialismo, unificando o povo ao redor de suas reivindicações mais sentidas em um forte movimento deve ser a prioridade de todos os setores da esquerda brasileira. Encerrar a ofensiva reacionária e abrir caminho para o socialismo só poderá ser uma realidade a partir de um movimento de massas que implique derrotas políticas aos “de cima” e parta para a ofensiva não apenas pela recomposição dos direitos perdidos nos últimos anos, mas que tenha por objetivo a tomada do poder.

Não nos enganamos! As ameaças e “aproximações sucessivas” do presidente da república e dos militares a posturas golpistas não podem e não devem ser tratadas como bravatas. É tarefa de todo o movimento popular organizado, das organizações de esquerda e candidaturas lutar imediatamente para constranger e impedir as ameaças ou movimentações concretas no sentido de estabelecer um Estado policial e uma ditadura aberta em nosso país. Não confiaremos nem um centímetro nas posições da mídia, das oligarquias tradicionais, ou dos representantes estadunidenses que fingem combater o golpismo de Bolsonaro, dos militares e de sua corja fascista – apenas o povo em movimento pelas liberdades e contra o fechamento do regime pode impedir um golpe antes, durante ou depois do processo eleitoral; e tal verdade não se encerra mesmo com a posse de Lula em 2023. Fortalecer a agenda de mobilização unitária nas próximas semanas será crucial para tais efeitos imediatos.

Para dar conta destas tarefas nacionais, precisaremos fortalecer também a composição de uma bancada catarinense que defenda os interesses proletário populares nos parlamentos nacionais e estaduais, além de governos estaduais que permitam maior abertura para a defesa do serviço público, a garantia dos direitos e que contribua com o esmagamento do fascismo a médio prazo. Para acabar com a emenda do teto de gastos que estrangula o serviço público e os direitos do povo, para dar sustentação a um governo que abra caminhos para avançarmos e ampliar as condições institucionais de apoio as lutas do povo, é preciso eleger uma bancada legislativa combativa e comprometida com as classes trabalhadoras.

Por estes motivos, em Santa Catarina, o Polo Comunista Luiz Carlos Prestes indica o voto nas candidaturas de Décio Lima (PT) para governo do estado, Afrânio Boppré (PSOL) para o Senado Federal, Renê Munaro (PT) para deputado federal, e Marquito (PSOL) para a ALESC. Todos estes companheiros têm trajetória de luta e compromisso com importantes pautas do povo trabalhador brasileiro e cumprirão com qualidade a tarefa de representá-lo com mandatos combativos em cada uma dessas tarefas, contribuindo com a luta contra o fascismo e a contraofensiva pelos direitos do povo. Se a prioridade neste momento é causar uma derrota ao fascismo em nível nacional, não nos esqueceremos também de combater toda a oligarquia e a escória fascista que possuímos à nível estadual.

Avançar contra o fascismo!
Avançar pelo socialismo

Direção Estadual SC – Polo Comunista Luiz Carlos Prestes

Um comentário em “Combater o golpismo fascista em Santa Catarina e avançar contra a agenda das oligarquias e do imperialismo

  1. Apoiar Renê Munaro e Marquito, nem uma linha de crítica ao Lula ou ao Décio (ou mesmo ao Afrânio), dizer que eleger o Lula é impor uma derrota ao imperialismo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.