Política de Biden aumenta tensões e internacionalistas ficam em alerta

Política de Biden aumenta tensões e internacionalistas ficam em alerta

Por: José Reinaldo Carvalho

Os acontecimentos dos últimos dias revelaram a agressividade dos Estados Unidos contra a Rússia e a China, elevando as tensões internacionais. Isto faz soar um alarme para as forças progressistas que atuam no cenário mundial, escreve o jornalista e dirigente comunista José Reinaldo Carvalho

Durante esta semana os Estados Unidos, sob a liderança de Joe Biden, tomaram atitudes que elevam as tensões internacionais e potencializam conflitos. O novo chefe da Casa Branca chamou o presidente russo Vladimir Putin de assassino. Este, com fleuma e firmeza, deu-lhe a resposta merecida. Sem alterar a voz, mostrando a enorme paciência e nobreza de espírito do “grande povo russo” (Dostoievsky) entendeu que o presidente recém-empossado estava mirando-se no espelho. E reafirmou que a Rússia não vai pôr em causa sua soberania e persistirá no caminho que escolheu de desenvolvimento e assertividade no cenário internacional. 

Com igual arrogância e imprudência, a equipe estadunidense chefiada pelo secretário de Estado, Antony Blinken, comportou-se de maneira totalmente alheia à educação diplomática e as normas do Direito Internacional, no encontro em Anchorage, Alasca, com altos dirigentes da diplomacia chinesa. Além de ultrapassar em muito o tempo de fala, a delegação estadunidense fez acusações gratuitas à China de pretender dominar o mundo e tentou interferir nos assuntos internos do país socialista asiático, propondo discutir questões exclusivas da soberania desse país relacionadas às regiões chinesas de Xijiang, Tibet, Hong Kong e Taiwan. 

Estas atitudes provocativas do governo Biden estão em linha com a concepção de política externa do novo chefe da Casa Branca, que consiste em promover a “contenção estratégica” dos seus dois proclamados inimigos principais, a China e a Rússia, o que deve servir de alerta para as forças progressistas e movimentos de solidariedade internacionalistas. 

O primeiro aspecto a ser considerado ao debater sobre as ações internacionalistas dos movimentos populares e forças revolucionárias é a crise do capitalismo, sistêmica, estrutural e em pleno agravamento, o que delineia com tintas fortes seus traços de sistema opressor e explorador. Na atualidade acentuam-se a concentração e centralização do capital e da riqueza, o ataque aos direitos sociais, o saque às riquezas nacionais, o predomínio do capital financeiro. Esta crise é global, estende-se a todo o planeta e, ao contrário do que pretende a propaganda das classes dominantes, a sua raiz situa-se no centro do sistema capitalista.

Essas características encontram sua expressão política no ataque à democracia, na negação do direito internacional, na concentração do poder pelas potências imperialistas e instâncias supranacionais, no militarismo, nos golpes, intervenções e guerras, na violação da autodeterminação das nações e povos. Nesse quadro, emergem as contradições geopolíticas com força ainda maior do que no passado. 

As mudanças nos Estados Unidos decorrentes da vitória eleitoral de Joe Biden contra o ultradireitista Donald Trump não se traduzem em alterações de fundo da atuação da superpotência norte-americana na esfera internacional. O objetivo declarado da sua política externa é assegurar a primazia dos interesses estadunidenses, a manutenção e expansão do seu domínio. O multilateralismo anunciado por Biden não significa a renúncia aos métodos intervencionistas nem a democratização das relações internacionais, mas o empenho na formação de alianças que permitam aos Estados Unidos confrontar seus inimigos contando com apoios estratégicos. 

A mudança de chefatura na Casa Branca ocorre quando a chamada ordem internacional vive mudanças, decorrentes do aumento do peso da China, com maior presença econômica, o que lhe assegura maior protagonismo e assertividade em política externa. A ascensão da China expressa-se em sua pujança comercial e financeira, terreno em que toma iniciativas novas e promove ações que alteram a correlação de forças. É de mencionar nesse sentido o papel do país socialista asiático no Brics, na Organização para a Cooperação de Xangai, a expansão de suas relações com a África, América Latina e demais países asiáticos, do que é expressão o lançamento recente do maior acordo de livre comércio do mundo, o Tratado RCEP, que engloba 30% do PIB e da população mundial, representando um impulso econômico e político para Pequim, em detrimento da influência dos EUA na região. Acresce a isto o acordo de investimentos e comércio com a União Europeia e a audaciosa iniciativa da nova “franja e rota da seda”, um arrojado projeto que vai revolver as relações comerciais no mundo.  

Os EUA continuam a ser a potência hegemônica do mundo capitalista e o país com maior concentração de poder. Mas é evidente o declínio do seu peso relativo. Este é o aspecto principal das alterações na situação internacional, no centro dos conflitos que podem ter graves consequências para a paz mundial. 

É nesta situação que o imperialismo intensifica sua ofensiva contra os povos e nações que lutam pela sua independência. Nesta ofensiva, por cima de toda retórica, o imperialismo não renuncia nem renunciará ao uso de seus métodos brutais para conter a luta dos trabalhadores e dos povos. Na sua estratégia de dominação fazem parte a expansão do seu militarismo e a ação intervencionista no Oriente Médio e na América Latina. 

Neste quadro, salienta-se ainda mais a luta anti-imperialista dos povos, levada adiante por partidos revolucionários, países socialistas, organizações dos movimentos populares, movimentos e comitês de solidariedade internacional.

O compromisso original e permanente desses movimentos é lutar pela paz mundial, pela emancipação nacional e social dos povos, em solidariedade com os países ameaçados e agredidos, no combate ininterrupto ao imperialismo, converter-se em plataformas a partir das quais se projetam as lutas dos povos e tomar sempre o lado certo nos conflitos geopolíticos.

A solidariedade internacional é elemento essencial da luta anti-imperialista, é a expressão do internacionalismo de massas, da diplomacia popular, um traço de união entre todos os momentos da história das lutas dos povos por sua soberania e independência, muitas das quais resultaram em revoluções populares vitoriosas. 

O internacionalismo e a solidariedade entre povos, estão intrinsecamente ligados à luta pela paz e ao patriotismo popular. Só é internacionalista aquele que luta pela emancipação nacional e social de seu povo. E só é verdadeiramente patriota quem sabe que os combates pela independência nacional não terão consequência se não estiverem vinculados com as lutas dos demais povos irmãos.

Publicado inicialmente no site Resistência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *