Fui vacinado com a Sputnik 5

Fui vacinado com a Sputnik 5

Por: Giovanny Simon

Oi! Eu sou Giovanny e sou editor do portal A Coluna e militante do PCLCP. Desde 2018 resido na Rússia e ontem tomei a primeira dose da vacina Gam-COVID-Vac, também conhecida como Sputnik V, a vacina russa contra Covid-19.


A vacina russa tem 91,6% de eficácia, de acordo com um estudo da revista científica The Lancet publicado em fevereiro 2021. Aqui na Rússia, ela já vinha sendo usada de forma massiva em Moscou desde dezembro, região mais afetada pela pandemia, com um programa de imunização incluindo 40 policlínicas públicas, e acesso irrestrito por jovens e idosos. Inicialmente houve uma restrição inicial para pessoas com mais de 60 anos, que depois foi removida. O foco inicial na Rússia foram trabalhadores da saúde, assistentes sociais, professores, mas agora abarca o público geral. Cerca de 1 bilhão de doses já foram encomendadas para o uso mundial. Se ela inicialmente, causou polêmica por ser registrada de forma precoce, hoje a comunidade científica já aceitou os resultados publicados pelo governo russo.

A fórmula russa já foi aprovada em 48 países, inclusive vizinhos nossos. Enquanto a Argentina, Venezuela, Bolívia e México já estão vacinando, o Brasil ainda está enrolado na autorização. A Anvisa ainda não autorizou uso emergencial da Sputnik V porque alegou que os dados apresentados pelo laboratório União Química foram insuficientes. O STF, no que lhe concerne, motivado por ação do governador baiano Rui Costa, enviou pedido de esclarecimento para a Anvisa. Pelo visto, apenas em maio os dados requisitados pela Anvisa serão enviados.

Eu tive acesso à vacina através da residência permanente que consegui no início desse ano. Com ela, pude registrar meu OMS e Snils, espécie de SUS e INSS russos. Porém, em Moscou já tive relatos de que qualquer estrangeiro, com ou sem documentação, conseguiu ser vacinado.

Os efeitos colaterais que senti foram bem leves. Não tive febres, apenas dor de cabeça e dor no corpo. Cada corpo reage de um jeito, é claro, pois ouvi relatos de outros que tiveram febre também. No dia 31 de março vou tomar a segunda dose, portanto, 21 dias após a primeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *