Especial Irã – Entrevista com Borna Kashvad Artdeji

Especial Irã – Entrevista com Borna Kashvad Artdeji

Nesse episódio, publicamos tardiamente a entrevista feita com o estudante e politólogo iraniano Borna Kashvad Artdeji. Muito embora a entrevista tenha sido feita com o propósito de discutir a crise de janeiro entre EUA e Irã, ela aborda aspectos que vão além desse acontecimento pontual e discutem a estrutura e as características históricas  da sociedade iraniana e a sua relação com o seu Estado teocrático. Por isso, vale a pena escutar e ouvir de um nativo questões por vezes desconhecidas ao povo brasileiro.

Ouça a entrevista ao podcast ou leia a versão completa abaixo:

PODCAST


TRANSCRIÇÃO

Giovanny: Você poderia se apresentar para o nosso público?

Kashvad: Obrigado por me receber, Giovanny. Sou membro da faculdade do departamento de ciências políticas. Estou muito interessado não no aspecto prático da política, mas também nos seus aspectos ideológicos. As teorias de como nos definimos, a questão da identidade. A área em que estou mais pesquisando é na verdade o estruturalismo social e o identitarismo social e partiu do meu interesse em diferentes identidades iranianas, uma vez que este é um país diversificado e não gostaríamos de ser identificados com um grupo étnico singular como um persa ou a Pérsia sendo o antigo nome para o Irã. É uma questão de como nos encontramos quando há uma ausência de uma ideologia unitária. Esta foi a área que me levou a estudar política mais academica e profissionalmente. Sobre a questão regional, penso que isto é também algo que me fez focalizar mais amplamente do Irã para o Oriente Médio como um todo e para as suas relações internacionais. Portanto, sobre os temas do Irã e do Oriente Médio, eu diria que sou um especialista.

Giovanny: Em geral, o público brasileiro tem uma visão estereotipada do Irã e dos iranianos. O que você pode dizer sobre os povos que habitam o Irã?

Kashvad: O Irã tem uma estrutura social bastante diversa que mencionei anteriormente. Contando os principais, tem 12 grupos de idiomas diferentes, que também são identificados como grupos étnicos até certo ponto. Persas, turcos, curdos e árabes são os quatro principais, os maiores. Os persas representam, acho que 49 a 50% da população, os turcos chegam a, acho, 23 a 25 … Não existe uma medida demográfica exata, pois não é aprovada politicamente. Todas as tentativas de realizar esse tipo de medição sempre levavam a informações conflitantes enviesadas pelos pesquisadores, o que nos fazia questionar: ‘Ei, esta região está sendo projetada para ter uma maioria, por exemplo, uma população curda versus uma população turca?’ Para que a identidade e a linguagem das políticas regionais possam ser mais adotadas para essa etnia em particular, porque a diversidade do Irã não permite ser mantida de fato uma constituição unitária em relação a um aspecto muito universal em si. Temos as regiões curdas, por exemplo, e a televisão não apenas mostra programas em persa, mas também mostra programas em idioma curdo, Sorani, por exemplo. O mesmo pode ser dito sobre as turcas, as regiões do Azerbaijão, que na verdade os azerbaijanos iranianos, acho que são três vezes maiores do que os da República do Azerbaijão, curiosamente. Nessas regiões do Azerbaijão, por exemplo, temos TVs Azerbaijana. Existem instituições acadêmicas direcionadas para estudantes Azerbaijanos nas universidades, pelo menos. Os estereótipos geralmente consideram os iranianos como se fossem árabes. Há uma população árabe no Irã, mas eles comprometem talvez eu ache que até as fronteiras do sudoeste do Irã as terras baixas do Khuzestan, mas essa é a única região árabe que temos. Iranianos e árabes são facilmente distinguíveis. Primeiro, do ponto de vista linguístico – os iranianos falam uma língua indo-europeia. Há muito mais em comum entre, por exemplo, entre o iraniano e o português, em comparação com o iraniano e o árabe. Embora haja mais palavras de empréstimo do árabe no idioma persa. Mas na estrutura gramatical, os radicais das palavras, voltam ao ramo das línguas indo-européia. E essa é a origem de todas as línguas iranianas, incluindo curda, persa, Gilaki, Baluchis, Pashtun, no Afeganistão e no Paquistão. É um país bastante diverso, não posso simplificar o que é uma identidade iraniana, como nos identificamos porque não se trata de um confinamento unitário. Existem muitos aspectos sociais, culturas, identitários, idiomáticos e cada grupo de pessoas tem um ramo diferente da história. Por exemplo, os persas remetem ao império persa, é claro, os curdos remetem, como alguns reivindicam, aos Medos, de Saladin, que era um dos líderes das Cruzadas, era curdo, por exemplo. Os baluchis e os afegãos têm uma história complicada no alto das montanhas do Afeganistão, mas em suma, além da nossa história e idiomas que nos distinguem dos países vizinhos, O Irã teve uma base de fundação muito própria, a fundação do Estado foi orgânica. Enquanto na Europa tudo se baseava no que herdaram dos romanos, os iranianos criaram as bases das estruturas sociais e políticas do zero. Houve uma base que herdamos dos Elamitas e dos antigos mesopotâmios. Mas, para o resto, foi história, nossas relações internacionais, seja com os romanos, com os chineses, com os indianos, agrupados organicamente, não foi implementado como algo novo sem base. Isto é, seja como na Arábia Saudita que não existia até a queda do Império Otomano, ou o Iraque e a Síria que são os subprodutos dos países coloniais, desculpe, o colonialismo da Grã-Bretanha e da França dividindo a região em diferentes demografias; O Líbano e a Síria são quase indistinguíveis, mas foi uma escolha do governo francês torná-los dois países separados. O mesmo pode ser aplicado ao leste do Irã, no caso do Paquistão e da Índia: são culturalmente bastante uniformes, falam a mesma língua, têm a mesma cultura. Mas eles ainda são dois países diferentes e a base política do Paquistão está perdida na história da Índia. Portanto, esses países ao nosso redor, ao redor do Irã, têm sua história criada aproximadamente nos tempos do colonialismo. Enquanto o Irã permaneceu, ele foi conquistado uma dúzia de vezes, mas permaneceu um estado independente desde a sua fundação muito antiga, que remonta a 500 a.C.

Giovanny: Então, se você diz que a unidade iraniana não está, como, no grupo étnico, porque é bastante diversificada, poderia estar na religião ou existem religiões diferentes?

Kashvad: Nós tínhamos. Depois da revolução, houve um pedido de … Bem, na verdade, qual é o fator de unificação é algo que muda no Irã com muita frequência. O Irã é um país xiita majoritário, obviamente. Mas mesmo a fundação dos próprios xiitas é controversa, de certa forma, não islâmica, tem muita influência para o zoroastrianismo, que é uma religião pré-islâmica. Muita influência do Maniqueísmo, que se estende até a China e o Império Romano. E o mais importante é que as crenças surgidas pelo mito, que foram os fundamentos de, creio, alguns podem dizer que foi um fundamento do cristianismo pelo menos no início do Império Romano ou no alicerce das teologias. Já o xiismo no Irã se desenvolveu e se tornou independente de como era nos países turcos, como na Ásia Central ou nos países árabes do norte da África e na Arábia Félix. Os iranianos pegaram a religião e a integraram à cultura e a cultura integrada à religião. Foi uma hiper-mistura entre os dois. Enquanto outras regiões, a religião se tornou o impulso dominante que determinou os aspectos da cultura. Muitas das coisas que fazemos agora estão associadas ao Islã e às ideologias islâmicas e ao clericismo xiita, seja o luto do mês de Mahram, que é a morte de um dos Imames ou celebrações do Ramadã e assim por diante. Mas essas são práticas que historicamente foram registradas como sendo adotadas por um grande número de iranianos antes mesmo do Islã ser realmente uma pedra fundamental. Em relação a outras religiões, temos a maior comunidade judaica fora de Israel no Oriente Médio. E, surpreendentemente, isso pode chocar alguns, mas os judeus no Irã não são marginalizados com o mesmo peso que foram marginalizados no norte da África e nos países árabes. Na época em que Israel foi fundado como Estado-nação pela Grã-Bretanha, os judeus foram expulsos do norte da África, do Iraque, da Síria e de outros países em que residiam. Principalmente, novamente, nos países islâmicos, isso foi com exceção do Irã e, acredito, na Turquia, naquela época. Agora, o Irã na época era um país majoritariamente muçulmano, mas não tínhamos essa forma de segregação ou marginalização da comunidade religiosa. A única comunidade religiosa que foi brutalmente marginalizada no Irã foi o Bahaísmo, mas eram uma minoria muito pequena. Outras religiões, é claro, incluem o zoroastrismo, que remonta a 500 a.C. Ainda continuamente sendo praticado hoje. E, é claro, temos um grande número de cristãos. Curiosamente, na verdade, o cristianismo é a maior religião em crescimento nas comunidades clandestinas do Irã. Apostasia, mudança de religião, no Irã é punível com a morte. É um crime mudar, mas a corrupção que está sendo cometida em nome do Islã pelo regime e muitos outros aspectos sociais levaram os iranianos a essa linha de atender a várias formas de cristianismo. Lembro-me de que fui batizado aos 5 anos de idade em uma igreja apostólica armênia, mas outros iranianos com quem eu cresci lentamente começaram a adotar a fé cristã após os 15 ou 18 anos. E está crescendo um. Mesquitas no Irã, basicamente igrejas para muçulmanos, não estão cheias. Elas geralmente estão vazias, na verdade. As pessoas não praticam o Islã com tanto vigor e religiosidade quanto é retratado pelas mídias ocidentais. Os iranianos são muito liberais, em comparação com os vizinhos. Nossas mulheres são obrigadas a ter um lenço na cabeça porque é a lei, mas a lei está se tornando mais leve e as mulheres estão protestando contra essa questão do Hijab obrigatório, o lenço na cabeça. E já havia conversas sobre realmente remover o aspecto obrigatório das legislações. No espectro social em que a religião está inserida, os iranianos são espirituais. Eles são, pela minha própria experiência, muitos iranianos seguem superstições, especialmente, é claro, islâmicas. Mas eles não rezam, por exemplo, todos os dias, cinco vezes ao dia. Eles não acreditam que, na maioria deles, não quero falar por todos, mas, por experiência própria, os iranianos não praticam a Jihad ou nascem Jihadistas para lutar em nome do Islã contra seus inimigos ocidentais e os EUA. E, curiosamente, na verdade, em todos os protestos que não são exatamente protestos, mas em todas as reuniões organizadas pelo governo, essas pessoas cantam que ‘Allahu Akbar’, ‘Deus é grande’ e o governo se esforça para mostrar o Irã como um país muito religioso isso é transmitido para toda a TV. Mas isso que vemos é como o governo constrói essas manifestações. Mas quando a economia passa para uma forma muito devastadora e há outra preocupação social ou política que os iranianos vão às ruas para protestar, eles cantam tudo contra o clero, contra o líder supremo que deveria ter o mesmo nível de importância para os iranianos que o papa para os católicos. Eles cantam ‘Morte’ contra ele, cantam contra o regime e bem, tudo o que tem a ver com religião. Existe também a concepção de que os iranianos queimam e andam sobre as bandeiras americanas e israelenses na manifestação do governo. Mas novamente, no protesto orgânico que é feito pelos próprios iranianos quando o governo planta uma bandeira israelense ou americana no chão, os iranianos caminham para as bordas das paredes apenas para não pisar nela. Eu acho que existem muitos vídeos disponíveis on-line de iranianos que se recusam a pisar em bandeiras diferentes. Nossa sociedade é liberal, nosso governo não é. Eu posso resumir nesse ponto.

Giovanny: Quais outros aspectos da cultura iraniana merece destaque? Eu sei, por exemplo, que o Irã tem uma cultura cinematográfica famosa.

Kashvad: A cultura iraniana tem suas raízes de volta para … bem, se eu pudesse estender bastante, aos sifianos que eram iranianos orientais que nos deram a cultura de tecer tapetes. O tapete se tornou uma forma de arte, uma forma de expressão. A partir disso, fazemos poesia, bem, engenharia, arquitetura. Os iranianos têm a sua, por exemplo, a Persépolis, que é uma cidade antiga de Pasárgada, a antiga capital do Primeiro Império Persa, antes de ser derrubada por Alexandre, o Grande. Tinha seu próprio acordo de arquitetura, adotado em todo o império. Quanto às artes, cresceu muito rapidamente em diferentes épocas. Temos poesias que datam de 200 a 300 a.C. desde os tempos em que até o Irã estava sob o jugo do Império de tipo Greco-Selêucida. Mesmo a partir desse momento, os iranianos estavam desenvolvendo suas próprias poesias, artes e cultura, e ela cresceu muito organica e rapidamente. Muitas das coisas que estão agora associadas à Era de Ouro Islâmica, o período em que o Islã obteve essa inauguração da ciência e da tecnologia e do conhecimento em biologia, filosofia, ética e assim por diante. Muito disso é o que chamamos de, e por “nós” quero dizer novos pensadores políticos iranianos, uma forma Renascimento iraniano. Foi um ressurgimento da cultura iraniana após a conquista árabe do Irã, após a conquista islâmica do Irã. A maioria dos poetas, os cientistas, Álgebra, Al-Biruni, Avicena, pessoas que fundaram o cânone da medicina,  eram estudiosos iranianos que basearam seus trabalhos não apenas no conhecimento contemporâneo da época, mas também baseados em cientistas e estudiosos pré-islâmicos ou com qualquer um de seus trabalhos que sobreviveram. Nossa arte e nossa cultura sempre foram uma forma de expressão clandestina. Quando havia um governo que não nos deixava falar expressivamente sobre um problema, a arte era o meio que seria o transportador de uma mensagem para sempre voltar às pessoas contra uma estrutura dogmática mantida pelo governo. Era muito importante o tempo todo nesse épico nacional, os iranianos têm esse grande livro de poemas que, sozinho, quase salvou a própria língua persa, chamada Shahnameh, a epopeia dos reis. E está escrito com base nas teologias Avestan. Da religião zoroastriana. E muito disso tem a ver com as teologias da época, o folclore iraniano. Este é realmente o maior poema épico escrito na história. É um grande complexo desse gênero. Quanto ao cinema, acho que é a parte pela qual os iranianos são mais conhecidos. Tivemos indicações ao Oscar duas vezes. Dois filmes de autor de Asghar Farhadi, ele ganhou o Oscar. E foi porque a forma de arte e expressão iraniana é autêntica. Não é motivado por um interesse de capital, não é motivado por uma narrativa específica que deve ser levada à sociedade na forma como você deve se comportar. É o contrário, pega a narrativa da sociedade e a transforma em arte. Eu acho que é o contrário do que você espera de Hollywood. Por exemplo, nos filmes da Marvel ou em qualquer cinema de cultura pop que aparece e facilmente influencia o público, as pessoas começam a tomá-los para si. Tudo se torna um nome familiar muito rapidamente após sua publicação.

Giovanny: Vocês não têm censura?

Kashvad: Temos censura no Irã. É claro que esse é um limitador do que podemos e do que não podemos mostrar, e é exatamente isso que torna os filmes iranianos mais autênticos. É visível que há censura. E, apesar disso, diretores e criadores de filmes iranianos tentam mostrar a luta da sociedade mesmo através dessas censuras. E, sabe, quanto mais pressão houver, mais sincero será o produto final. Não que eu justifique ou apoie as censuras, mas definitivamente está sendo crítico em nosso desenvolvimento do cinema. Antes da revolução e antes das censuras serem tão rigorosas, tínhamos pornografia nos cinemas. Os filmes anteriores a 1979 eram, em qualidade, um alívio cômico. Algo que você assiste pra passar o tempo. Eles não tinham valores artísticos, não quero entrar na filosofia do que é arte em si, mas… Quanto à qualidade, é muito mais natural agora, porque fala sobre essa luta contínua do povo contra seu estado de vida, o que, é claro, é uma espécie de golpe cego para o governo. Como se “Ei, você não percebe, mas vamos fazer um filme sobre isso”. Em outras formas de arte, acho que os iranianos não são realmente reconhecidos pelo Ocidente, porque não acho que seja interessante para além dos Orientes. Mas as culturas iranianas são muito dominantes em toda a Ásia Central. Os épicos de … histórias, tradições, Noruz, por exemplo, o Ano Novo Iraniano, são comemorados do Cazaquistão até o Egito, até a Turquia, pelos curdos. É uma celebração do equinócio da primavera. E cada país desenvolveu sua própria lenda e mito com base no que Noruz, ou ‘Novo Dia’, significa para eles. Uma coisa que também é um eufemismo sobre a cultura iraniana é o nosso valor da ciência, a integridade científica. O Irã tem alta taxa de fuga de cérebros, como chamamos. Muitos estudiosos iranianos, quando se formam na universidade superior do Irã, migram rapidamente para o Ocidente, para o Canadá, os EUA predominantemente ou o Reino Unido. Eles residem lá e de repente se tornam esses cientistas conhecidos ou especializados que são bastante … reconhecidos em seu campo. Eu acho que foi em 2017 ou 16, quando uma mulher iraniana ganhou essa medalha em matemática que de repente a fez bastante famosa no campo da matemática para todos, antes de falecer. E na missão Artemis que deverá ir para Marte, na verdade terá um cientista iraniano a bordo, então eu ficaria muito feliz em ter um compatriota em Marte como uma das primeiras pessoas pisar lá.

Gio: É muito comum no Brasil as pessoas associarem o xiismo ao radicalismo. Essas palavras às vezes são até consideradas sinônimos. Qual o significado do Irã como país xiita e sua diferença dos sunitas?

Kashvad: Eu acho que mencionei anteriormente que xiismo, xiita, não é nada, eu acho, comparado ao sunismo, porque foi muito integrado às culturas iranianas pré-islâmicas. Nós tínhamos os seus elementos da cultura pré-islâmica integrados nela fortemente. Quanto [o radicalismo] estar associado ao xiismo, eu o entendo completamente. O único país que é um país xiita, país abertamente xiita como o farol do que significa xiismo, é o Irã. O Irã, não definido por seu povo, cultura, história e patrimônio, mas por seu governo, é uma teocracia, é uma teocracia que exporta esses extremistas xiitas para o Afeganistão, para o Paquistão, Síria, Iraque, Líbano. Mas esses extremistas não são nada comparados, é claro, ao que a Arábia Saudita faz. Um subproduto do extremismo salafista ou wahhabista é o ISIS, são os Talibãs, são as pessoas que criaram esse terror contra pessoas inocentes, milhões foram deslocados, milhões foram mortos. A Terceira Guerra Mundial tem um preâmbulo de guerra contra o terrorismo. E a guerra contra o terrorismo começou com o Ocidente desafiando essas organizações terroristas dirigidas por Wahhabistas, a organização dirigida por Salafistas. Onde está a base da fundação Salafi? Está na Arábia Saudita. O governo deles é legislativamente salafista. O governo da Arábia Saudita tem duas alas. Acho que é comumente conhecido. Uma ala é, obviamente, a família Saud, que administra o aspecto político e a tomada de decisões governamentais. E a segunda ala do governo é a ala wahhabi, que acho que remonta a al-Ikhwan al-Muslimin, ou o irmão … acho que não é exatamente a Irmandade Muçulmana, a organização no Egito e na Turquia, mas a Irmandade dos Muçulmanos, outra organização histórica que estava realmente no Egito, historicamente, depois na Jordânia e depois na Arábia Saudita. Essas foram as formas mais extremistas do fundamentalismo islâmico. E eles começaram a exportar seus ideais de terror não apenas para os países da região, sendo o Iraque e a Síria, mas também o exportaram para o exterior, por toda a Europa, por todo o Paquistão, Índia, Malásia, Indonésia. Não sei exatamente até que ponto o rastro vai, mas eu diria que vai até a América, é claro. Os sauditas têm recursos, os sauditas precisam que esses jovens sejam doutrinados nesse dogma extremista. Então, pela segunda vez, quando houver outra necessidade de súbita insurreição islâmica que mude a agenda em regiões específicas, como as do ISIS, eles teriam pessoas suficientes vindo da Rússia, Chechênia ou do Reino Unido com a… Bem, eles realmente número consideravelmente grande de extremistas em toda a Europa atualmente. O fundamentalismo islâmico, seja xiita ou sunita, é um perigo não apenas para as pessoas afetadas por ele, mas também para aqueles que são afetados pelo seu soft power.

Giovanny: Você pode explicar o que é o salafismo e o wahhabismo?

Kashvad: Na verdade, posso fazer uma distinção mais fácil pelas suas origens. Então, os xiitas e os sunitas se separaram após a morte do profeta Maomé, o fundador do Islã, os xiitas declararam Ali como o Califa, ou o líder dos muçulmanos, e os sunitas, acho que eles declararam … Eles reconheceram Ali como um Califa, mas inicialmente eles reconheceram … se me lembro bem o nome certo, Abu-Bakr, que foi o primeiro Califa dos sunitas. Para os xiitas, a imamidade, ou o valor da liderança, corre no sangue, é muito mais ortodoxa. Enquanto no sunismo, o sunismo tradicional, não era princípio. Se alguém fosse qualificado, seria escolhido como líder. Essa foi a diferença de fundação entre os dois. Desde o nascimento precoce da Arábia Saudita, como um estado independente, vimos uma imagem diferente de como é uma identidade sunita. Veja bem, por gerações houve um império sunita de otomanos, dominando a Europa e os orientes. E havia o império xiita-safavit do Irã, e esses dois tiveram confrontos, mas não foi nada sangrento em comparação às guerras protestantes-católicas em toda a Europa. Houve confrontos principalmente políticos. Xiitas e sunitas entraram em conflito, mas teriam resoluções rápidas. A mudança entre o salafismo e o xiismo se tornou muito dominante após a fundação da Arábia Saudita, quando o wahhabismo e o salafismo dentro do corpo de sunitas começaram a entrar na esfera política. Antes desse ponto, toda ideologia religiosa, xiita ou sunita, tinha mais uma doutrina teocrática. Tinha um aspecto filosófico, como se ‘O que é eticamente certo? O que é eticamente errado? Quantas vezes rezamos por dia? Esse foi o grande debate entre sunitas e xiitas. Quando os salafistas começaram a ser exportados da Arábia Saudita, vimos as formas extremistas do que o Islã tinha a oferecer. Foi ‘vamos pela decapitação, vamos pelos assassinatos em massa’ e tudo se justifica em nome de Alá. E acho que um dicionário básico do que o salafismo faz e é o ISIS e o Taliban. Eles tiveram essas decapitações em massa públicas, essas coisas arcaicas medievais que essa geração, nós no século XXI, não deveria realmente ver novamente. Eles perseguem essas tradições fora de tempo, de punições, jogando gays de torres, chicoteando mulheres, cortando as mãos por furto. É isso que é salafismo. Era uma forma muito extrema, e até na Arábia Saudita, veja, eu discordo de qualquer forma execução pública, pena capital, pena de morte. É grotesco, atrasado. China, Irã e EUA mantêm um registro muito alto disso de diferentes formas, mas a Arábia Saudita tem esse histórico realmente inovador de não fazer execuções por enforcamento ou eletrocussão, mas por decapitação. Exatamente, como o ISIS faz. E essa é a diferença fundamental de como a Arábia Saudita exerce autoridade sem qualquer forma de oposição, enquanto no Irã, quando houve tentativa de enforcamento público, as pessoas protestavam e isso parava. Quando houve uma tentativa de … bem, nunca tínhamos decapitado, pelo que posso recordar, desde a revolução. E essas formas de xiismo, sendo essas formas extremistas do Islã, são completamente mal interpretadas. Se estamos tentando dizer ‘extremismo é ISIS’, acho que os xiitas são muito mais flexíveis. É como comparar um pote de Nutella a um pequeno doce … Bem, esse foi um exemplo muito ruim, mas … É assim que se diz qual é o nível de extremismo. E na época em que o ISIS, uma organização salafista fundada pela Arábia Saudita, estava matando yazidis, cristãos e xiitas em toda a Síria e no Iraque. As organizações que cresceram para detê-los foram os xiitas que estavam sendo coordenados pelo Irã e, particularmente, recentemente assassinaram Qasem Soleimani. Ele estava representando isso,  fosse ele bom ou ruim, eu tenho uma opinião pessoal sobre ele, mas como os iranianos e as outras pessoas escolhem vê-lo é bastante diverso. Porém foi ele e sua liderança nas milícias xiitas que levaram o ISIS à destruição completa. Sem as milícias xiitas, o ISIS ainda governaria toda a Síria. Se você vai dar crédito ao que derrubou o xiismo de salafismo, desculpe, o extremismo de salafista, foi o xiismo. Tranquilamente, foi o xiismo, fundado e dirigido pelo governo iraniano.

Giovanny: Muitos brasileiros ficam horrorizados ao saber de casos de opressão contra mulheres e pessoas LGBT no Irã. O quanto disso é real e o quanto é uma indignação seletiva se comparado com uma situação igual ou pior na Arábia Saudida?

Kashvad: Na verdade, vou começar pelo último. Eu acho seletivo? Muito. A Arábia Saudita é agora a líder da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos ou das mulheres da ONU. Não me lembro exatamente. Isso foi uma ironia patética desse unitarismo global da Arábia Saudita, o maior violador dos direitos das mulheres e dos direitos humanos, sendo o líder dessa organização humanitária. Esta é uma piada completa. E não houve protestos de nenhum país ocidental sobre isso. Mas Deus me livre o Irã faz algo demais à esquerda ou à direita na perspectiva do que o Ocidente nos percebe, certo? E então, há uma repentina indignação do Irã: esse governo xiita extremista, bla bla bla. Bem, sim. Quer saber? Não é bom. Não é o ideal, mas estamos colocando isso em escala com a Arábia Saudita, realmente? Quando se trata de direitos LGBT, vou começar com isso. É bastante obscuro quais são as leis. Você não tem permissão para ser gay no Irã, isso está correto. Mas você não é jogado de um prédio alto, o que acontece na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes Unidos e em qualquer outro estado que eles fundaram para ser liderado por essa, novamente, teologia salafista. No Irã, as pessoas gays são tratadas, não em um tratamento por assim dizer “anti-homossexual”. Eles passam por uma mudança de gênero, uma operação de mudança de sexo financiada pelo governo. Essa era a única maneira de evitar qualquer execução ou pena de prisão, sentença de prisão feita pelas pessoas da comunidade gay, se elas fossem publicadas. Esta era a única maneira pela qual eles seriam capazes de sobreviver. É bárbaro, não está certo, mas é algo que criou essa nova demografia no Irã. Em per capita, o Irã tem mais pessoas trans do que a Tailândia. As pessoas passaram por uma mudança de sexo, mas não é realmente visível e ninguém fala sobre isso. Não está certo porque não tem muita escolha. Eles são executados ou cortam sua genitália. Portanto, não é exatamente algo que eu toleraria ou apoiaria dizer ‘Ei, um é melhor que o outro’. Ainda é bárbaro. Está errado. Quando se trata dos direitos das mulheres, isso entra em um tópico muito quente. Os iranianos são uma sociedade educada. Minha mãe era escritora feminista, ela serviu, eu acho, dois meses de prisão de sua juventude por isso, mas geralmente as mulheres iranianas são muito mais livres. Elas vão às ruas para protestar por mais direitos das mulheres. Enquanto em outros países, como a Arábia Saudita, é claro, ou o Paquistão ou, novamente, esses países salafistas, não temos exatamente esse sentimento de libertação sendo dirigido por mulheres. As mulheres iranianas, especialmente desde 2014, com esta campanha chamada “Minha liberdade furtiva”, elas protestam contra o hijab obrigatório. Talvez isso tenha influenciado a legislação de alguma forma. Houve conversas sobre isso, mas nenhuma implementação. Mas, novamente, o fato de vermos pessoas protestando, o fato de que vemos os iranianos quererem mais senso de libertação mostra, por um lado, que temos uma sociedade educada, consciente dos valores democráticos e da autodeterminação. E segundo, temos uma sociedade liberalizada que não escolhe viver sob essa doutrinação teocrática que a força a usar um vestido específico para não despertar sexualmente o seu homem. Mais importante ainda, o fato de as mulheres protestarem, mostra que, novamente, também temos mais liberdade legal que permite a realização do protesto. Temos uma polícia religiosa no Irã e, quando as mulheres tiram o hijab, elas são multadas, então eles pedem para colocar o hijab de volta e as mulheres começam a filmar o incidente com a polícia, o diálogo e ele é publicado nas mídias sociais, em todos os lugares, e isso cresce exponencialmente mais. Mas acabamos no final como uma sociedade que está pressionando por mais direitos. E esse é um fator primário para mudar o Irã, não apenas no aspecto social, mas também no aspecto político. Liberalizando-o em grande medida. Infelizmente, isso não é muito visível na mídia ocidental. Eles mal fazem qualquer cobertura, do esforço e da luta que as mulheres iranianas colocam. Não quero entrar no clima de comparação para falar disso contra aquilo, ‘que os iranianos são mais ou menos liberais, educados, bla bla bla’. Mas estou muito orgulhoso das minorias do meu país, principalmente as marginalizadas, porque elas não aceitam a regra. Eles protestam. E estou feliz que nosso protesto tenha tornado nossa sociedade muito mais liberalizada, em comparação com a Arábia Saudita, o maior violador dos direitos humanos. Eles executam gays, os jogam de prédios altos e não apenas os executam. Não tenho certeza, sobre a poligamia, de quão amplamente ainda é praticada na Arábia Saudita, mas era um aspecto comum do que a ideologia teocrática deles, o salafismo era e ainda pressionava. As mulheres são mercantilizadas no mundo islâmico, especialmente as mais fundamentalistas. Mercantilizadas, o que quero dizer é que elas são tratados como objetos, não apenas a mera objetificação como feminista no Ocidente, como retratavam, mas objetos literais. Você pode trocar uma Glock, uma pistola, por uma mulher. Havia vídeos dos salafistas do ISIS discutindo sobre a troca de esposas, as meninas Yazidi que foram capturadas recentemente, em troca de novas armas e assim por diante. Outra coisa é que em muitos desses países fundamentalistas, ao redor do Irã, especialmente os países árabes, eles têm esse consentimento de casamentos infantis, seja uma menina de 12 ou 9 anos, de repente se torna legal casar com esses homens 80 anos, e aparentemente isso não é considerado pedofilia. No Irã, temos, antes de tudo, um tabu social muito estrito. Você não pode se safar disso. Agora, o governo não a condena, mas não é socialmente tolerado. Se alguém faz isso, eles são facilmente os párias da sociedade. Portanto, nossa sociedade estabeleceu sua instituição informal com essas linhas de direitos das mulheres que você não pode cruzar na direção errada. É realmente interessante, eu só vou fazer o meu último ponto. O Irã é o único país em toda a região que tem um aspecto da sociedade matriarcal. Com isso, quero dizer, mães e mulheres sendo as líderes das famílias. Minha própria família pode ser uma dessas. As amazonas clássicas que foram glorificadas pelos gregos são as mulheres guerreiras que eram das etnias sífias e o grupo sírio iraniano oriental que mantinham a sociedade em um aspecto igualitário. Homens brigavam ao lado de mulheres. Na verdade, os gregos usavam esse aspecto da cultura iraniana de igualitarismo entre homens e mulheres para zombar ou provocar homens iranianos, por serem mais femininos, usando jóias e dando a suas mulheres direitos iguais. E isso mostra como a perspectiva desses direitos dos grupos sociais ou de suas posições sociais foi revertida no momento em que não havia ainda uma visão dominante do Ocidente sendo mais liberal, e os orientais mais atrasados.

Giovanny: O que você pode nos dizer sobre a estrutura da sociedade iraniana? Sua estratificação de classes, os setores políticos, quem detém os setores da economia.

Kashvad: Não existe um rótulo exato para colocar no governo do Irã. Quero dizer, não como se ainda estivesse muito distante politicamente. Mas como cientista político, se eu pudesse classificá-lo como um, diria que é um governo capitalista autoritário. O próprio regime, pelo menos. Politicamente, temos, é claro, duas facções legais que supostamente são uma contra a outra. Quer dizer, o Irã é um país autoritário e é uma democracia autoritária. Ou seja, a oposição é fabricada, a oposição é liderada pelo governo central. Portanto, não há uma oposição real. Mas essa suposta oposição no Irã é uma facção liberal … não facção liberal, desculpe. As facções moderadas, os reformistas e outros que querem mudar o Irã adotaram os valores sociais. E, claro, a outra ala é a fundamentalista. As pessoas excessivamente religiosas e excessivamente nacionalistas. Se eu pudesse fazer uma comparação rápida, Ahmadinejad, o ex-presidente, era um fundamentalista e Rohani, que negociou os acordos com o Irã para 2015, é um reformista, moderado. Eu digo essas duas facções políticas, mas obviamente temos muitos separatistas. Em todo o país, temos muitas pessoas discordando chegam a apoiar os monarquistas que estão apoiando, por exemplo, o príncipe herdeiro Reza Pahlavi, que é filho do ex-xá do Irã, Mohammed Reza Pahlavi. Ele tem um apoio considerável, especialmente entre a população idosa. Mas uma coisa com que os iranianos geralmente concordam assim que deixam o país e examinam a política do exterior é que não há alternativa política. Pelo menos não ainda. Não é que o regime seja ideal, mas tudo bem … você derruba e com que facção política resta? Quase nada é menos ruim do que o regime. Isso primeiramente. No aspecto social, existem muitas, muitas maneiras de dividir as estruturas. Se você segue a base do funcionalismo social, é claro que temos esse Corpo de Voluntários chamado Basij. As pessoas costumam associá-lo ao EGRI, ou A Guarda Revolucionária Iraniana. O próprio Basij significa … Basij significa um voluntário, um coletor. E essas são as pessoas que supostamente são os apoiadores e os seguidores do regime, mas o que eles têm de maneira diferente é que eles recebem privilégios extras para as universidades. Em troca da promoção do governo e das agendas do governo, obtêm descontos em livrarias, descontos em piscinas, para qualquer setor público. De outras formas, é claro, eu diria que a sociedade foi bastante pluralizada. Não temos exatamente essa oligarquia que está na Rússia ou esses magnatas capitalistas que estão nas Américas ou esses banqueiros especiais que estão na Europa. O que temos é que o próprio EGRI é esse estado dentro de um estado. É uma facção muito capitalista. E eles são donos da maioria das terras, são donos de 40% de todas as empresas. Eles são basicamente uma forma da Reserva Federal dos EUA, mas estão funcionando no Irã. Eles controlam um grande setor da economia privada, bem como a maioria, na verdade não a maioria, mas todos os setores públicos são controlados pelo EGRI, a Guarda Revolucionária Iraniana. Os setores privados precisam operar informalmente com a aprovação da Guarda ou ter pelo menos 40% de suas ações vendidas a eles, para que haja um membro deles no conselho de diretores da empresa, para que nada seja feito fora das linhas de definidas. Um aspecto sério que indignou muitos iranianos pelo protesto que tiveram recentemente é o controle da economia doméstica pela Guarda. Eles recebem todos os privilégios de descontos, subsídios do governo e pagam pouco ou nenhum imposto. Basicamente, uma corporação corrupta muito grande que funciona não apenas como corporação, mas também como um exército paralelo que protege o governo. É muito complexo, mas eles são dominantes, o único oligarca que controla um grande setor da economia do Irã.

Giovanny: Sobre o acordo nuclear. Quais eram os termos desse acordo e por que ele falhou?

Kashvad: O acordo nuclear foi, penso eu, uma vitória muito importante para o setor econômico iraniano da época. A inflação estava subindo muito, muito rapidamente, de uma maneira muito perigosa. E quando o acordo com o Irã surgiu, foi uma troca justa de armas nucleares que não precisávamos para deixar de lado as sanções dos EUA, que eles tanto precisavam. Agora, não é para justificar a decisão dos EUA de nos impedir de obtê-las. Antes de tudo, na verdade, vamos abordar qual era o acordo. Se o Irã não deveria ter um uma arma nuclear, nem Israel, nem Paquistão deveriam ter. Nossos países do Oriente Médio voláteis e abertamente agressivos, nominalmente esses dois. E agora, na verdade, a Arábia Saudita não está construindo as usinas para reatores nucleares. Esses três países podem operar livremente quaisquer níveis de energia nuclear. E é supostamente aprovado pelo Ocidente e pelos EUA. Mas Deus nos livre, se o Irã decidir tomar uma posição de auto-determinação. Agora, entendo que não há confiança no governo iraniano na relação internacional, o que restringe a capacidade de confiar em como eles usariam a energia nuclear. Mas, novamente, não justifica que os agressores dominantes do mundo, como os EUA, sejam os que determinem quem seria capaz e quem não seria capaz de obter energia nuclear. Então o acordo em si mesmo. O acordo foi feito através da redução do enriquecimento de urânio iraniano de, eu acho, 19,9 ou 19 para, acho, de 10 a 15%, o que tornaria seguro para nem mesmo as usinas de energia. Apenas torna seguro manter a operação básica. Isso deveria ser um acordo de, acho, 15 anos. Na verdade, não me lembro direito dos termos. Mas todo o objetivo era que o Irã parasse de enriquecer ainda mais o urânio em troca de suspender as sanções. Muitos países viram isso como uma vitória diplomática; em toda a Europa havia G6 + 1. Assim, o G6, os países da CEI, o próprio Irã, os iranianos foram às ruas para comemorar a criação do acordo nuclear quando este foi assinado, com as promessas de as sanções serem aliviadas. Funcionou por um tempo, mas quando Trump chegou ao poder, acho que muito do incentivo que ele recebeu para desfazer o acordo não foi devido a um erro técnico cometido no acordo, mas foi pelo desprezo contra o que o governo de Obama vinha fazendo primeiro. E em segundo lugar a imagem xenófoba de tudo o que não é a América é o inimigo também venceu. Bem, exceto Israel. Israel sempre foi um agitador contra o acordo com o Irã. Desde o momento em que foi assinado, que, novamente, foi assinado para o bem de Israel, na verdade. Desde que foi assinado, o governo israelense, especialmente Netanyahu, sempre antagonizou Obama e a criação do acordo como um todo. E sempre defendia deixá-lo, mudá-lo ou bloqueá-lo. Bloqueá-lo, eu quis dizer, permanentemente, não limitado por 15 anos, significava exatamente o que Trump acabou fazendo. Ele deixou um acordo, o que Netanyahu defendia por um longo tempo. Deixar o acordo em si, novamente, foi mais por desprezo e ódio por Obama do que pelo próprio Irã. E mais justificativas para sanções, acredito. Desde que o Irã começou a enriquecer lentamente seu urânio, o acordo foi excelente em termos de relações internacionais. Era improvável conseguir isso. E desde que foi deixado pelos EUA, não apenas recebemos mais sanções, mas também agora os países europeus estão anunciando mais sanções. Desde que os EUA os pressionam com soft power. Se os EUA decidirem sancionar todas as empresas européias que administram seus negócios com o Irã, não é óbvio que o parlamento europeu instale essas indústrias independentes a trabalhar com o Irã. Essas empresas europeias são como ‘Então, abandonamos o Irã também’, o que nos deixa em um estado muito isolado, tão devastado quanto a Coréia do Norte. E quando chegamos a esse ponto, é culpa do governo, obviamente, também são as sanções americanas. O ponto a que nos leva agora é que teremos um novo acordo toda vez que houver um republicano ou democrata na Câmara que é quem realmente determina que acordo deve ser confiado com o governo americano. É bastante volátil e acho que destrói a imagem pública americana em todo o campo das relações internacionais. Não acho que haverá um novo acordo com o Irã, acho que serão negociações muito difíceis. Embora Trump não esteja realmente se esforçando muito, pois está próximo do fim de seu mandato. E ele realmente, realmente quer ganhar esta questão com o Irã, já que apenas recentemente evitou começar a Terceira Guerra Mundial. Obviamente, seria uma vitória política para ele. Mas não acredito que haverá outro acordo com o Irã. E enquanto Trump estiver no cargo, ele continuará pressionando as sanções para colocar o Irã em um ponto de asfixia.

Giovanny: Quais os efeitos das sanções na economia e no cotidiano da população?

Kashvad: Temos uma inflação muito devastadora. Meus pais atualmente moram no Irã e descreveram isso para mim, pois os preços estão subindo todos os dias. Você vai comprar pão por, digamos, 50 centavos de dólar ontem e amanhã é 80 centavos. E no dia seguinte, de repente, são 3 e 5 dólares. O acesso ao consumo está se tornando muito devastador. 40% dos iranianos estão abaixo da linha da pobreza no momento. Bens domésticos básicos, carne e frango, são luxuosos. Muitos iranianos não podem pagar esses bens básicos. Muitos remédios estão sendo afetados, é claro, pelas sanções. E a indisponibilidade do medicamento levou os iranianos a usar não as marcas européias criadas corretamente, mas as marcas indianas que criaram esse estigma de causar uma doença adicional. E isso já foi provado várias vezes ser muito menos eficaz ou até mesmo de maneira inversa, fazendo com que os pacientes se sentissem piores. Então, faltam medicamentos, os preços estão subindo. Não digo que seja perto do que a América transformou a Venezuela com as sanções. Mas não estamos longe disso. A inflação está terrível, muito alta. Acessibilidade e bens domésticos estão em declínio. O desemprego está aumentando. Os rendimentos não ajustam a inflação. Então, quando tínhamos subsídios do governo, acho que 2012 ou 2013 eram 45 000 tomans. Tipo, dólar de 2000 … na verdade, remonta a 2010, desculpe. Em 2010, acho que um dólar era 900 tomans. Em 2012, era … 1 dólar era 1200. Agora 1 dólar é 14000. Portanto, essa é uma taxa de câmbio péssima que está diminuindo a força da moeda iraniana. E ainda temos os mesmos 45 000 para os subsídios do governo. Se colocar em uma perspectiva, 45000 representa 2,5 dólares de ganho por mês. Essa é a renda que o governo iraniano está provendo para as classes menos favorecidas. É bastante devastador e não vai melhorar se as sanções continuarem ou se o regime continuar interferindo nas políticas domésticas.

Giovanny: Quais os motivos do antagonismo entre EUA e Irã? Existem outras razões ou a questão do petróleo é uma resposta muito simplista?

Kashvad: O petróleo é um fator importante, é claro. É muito dominante a forma como os EUA conduzem suas políticas externas no Oriente Médio. Mas acho que, como a conversa que tivemos antes da entrevista, o governo iraniano complementa o governo americano em muitas coisas. Ambos precisam um do outro. Na verdade, se você pergunta “quem é o maior inimigo da América?”, Isso muda ao longo da história. Em algum momento, foi a Grã-Bretanha, o Império Espanhol, o México, a Alemanha nazista, a União Soviética. O que ficou como o maior inimigo dos EUA é esse país proporcionalmente pequeno no Oriente Médio, o Irã. Não quer dizer que o Irã seja menos ameaçador para os EUA do que a China ou a Rússia. Só que os EUA precisam de um estado tão agressivo e vilão quanto os soviéticos costumavam ser. Duas palavras que dizem como os EUA querem nos pintar. Agora, a agressão entre os dois países era alta e eles estavam em um mundo bipolar da política. Eles quase se igualavam em poder. Tudo estava em um furioso antagonismo pelas duas partes. No caso do Irã, bem, os EUA não podem fazer o mesmo antagonismo com o Irã do que com a Rússia. A Rússia está cooperando com os EUA, está cooperando com a União Europeia e assim por diante. A China é um dos maiores parceiros econômicos dos EUA. Esses dois são ameaças potencialmente graves. Mas os EUA não têm relações diplomáticas com o Irã. Pode justificar seu antagonismo com qualquer empresa ou face que eles desejem. Seja para proteger os direitos humanos, proteger os direitos das minorias, os direitos dos manifestantes e assim por diante. Qualquer que seja sua agenda moralista na qual realmente desejem abordar, eles sempre encontram uma maneira de antagonizar o governo e a sociedade iranianos. E essa é uma maneira de criar uma estrutura unitária dentro de uma sociedade americana muito polarizada. E da mesma maneira inversa, os americanos parecem ter a mesma função para o governo iraniano. O governo iraniano precisa de um regime como o de Israel ou da América para unir identidades iranianas. Grande inimigo comum. O regime chama a América de “o grande Satanás”. Os americanos chamam o Irã de “eixo do mal”. Então, os nomes que eles escolhem para preferir outras associações, a associação religiosa do inimigo com esse senso demoníaco e inimigo ímpio. Não é novidade. Está acontecendo desde 1979, desde o dia da revolução. Antes desse ponto, o Irã e os EUA eram aliados muito próximos, durante o regime do xá. Mas voltando à pergunta, sim. Eu acho que o petróleo é um dos principais, mas o mais importante é que precisamos entender como o governo iraniano serve os EUA. Existe essa frase em latim ‘Qui bono’, ‘quem se beneficia’. Quem se beneficia da antagonização do Irã é o governo de Netanyahu, que agora está sendo tão polarizado. Na verdade, eles não estão nem formar uma coalizão. Os populistas e demagogos como Trump usaram este país como o farol de todo o inferno e o mal que está errado com o planeta. E se ele se for, tudo volta novamente. O Irã serve um interesse político interno para os EUA e não apenas para os assuntos internacionais. Na continuidade de assuntos internacionais, porém é uma grande razão para os EUA venderem grandes pacotes de armas para a Arábia Saudita, Israel, Catar e Emirados Árabes Unidos, que depois financiaram outros grupos extremistas que exigiriam outros grupos vizinhos que também comprar armas dos EUA. Então, é um parceiro comercial, eu diria.

Giovanny: Quem foi Qasem Soleimani e por que ele era importante?

Kashvad: Qasem Soleimani era o comandante militar iraniano da força Quds, que é um braço militar do EGRI, o Sepah, a Guarda Revolucionária. A força Quds concentra-se principalmente na libertação de Ghods, que penso uma tradução literal se refere a Jerusalém. E o propósito da força de Quds é libertar a Palestina no longo prazo. E esta libertação da Palestina vem da sua intenção de expandir as alas militares iranianas através do Mediterrâneo do Iraque para a Síria, para o Líbano, a com o objetivo de estar na vizinhança de Israel. Assim, a simples análise do discurso de como foi nomeado, podemos dizer que o seu comandante Qasem Soleimani foi uma ameaça muito séria para Israel, para a Arábia Saudita e para o interesse dos americanos na região. Agora, quem era como general, ele era o comandante que liderou as milícias xiitas iranianas, não apenas iranianas, desculpe, e outras milícias aliadas do Al-Assad, com a ajuda dos russos e iranianos, visando livrar o Oriente Médio dos parasitas do ISIS, desse radical extremismo sunita que foi fundado pela Arábia Saudita. Depois da extinção do ISIS, o papel de Qasem Soleimani na região foi, para começar, de mediação, é claro. Ele tinha mais poder de decisão e execução diplomática na região, particularmente na região, do que qualquer outro líder soberano, seja do Iraque ou da Síria. Ele era tão fundamental para a tomada de decisões nos assuntos desses países quanto o líder supremo do Irã. Ele foi o segundo homem mais poderoso em termos de tomada de decisões no Irã. E era venerado por um enorme segmento da população iraniana. Mesmo aqueles que se opunham ao regime adoravam realmente Qasem Soleimani. Ele era um modelo para muitos jovens iranianos. Eles o viam como este líder que finalmente poderia mudar a Guarda Revolucionária e o regime por algo melhor. E já se falava de Qasem Soleimani ser a única alternativa para governador, para o país, quando o líder supremo e o regime mudassem. Alguém que é forte dentro do sistema, mas que tem um bom senso de humanidade. O próprio Qasem Soleimani era… para mim, não tenho um julgamento muito brando sobre o caráter. Soleimani, por exemplo, usou o Fatemiyoun, que é um corpo xiita composto por soldados de uns 15 anos, 16 anos, crianças-soldados. Eu não concordo com isso. Isto foi patético. Mas como personagem, ele tem que ser creditado pela derrota do ISIS. E isso é uma grande vitória não só para o Irã, mas para todo o Médio Oriente e até mesmo para o Ocidente. O assassinato foi, claro, absolutamente injustificado, realmente nos levou à beira da 3ª Guerra Mundial. O interlúdio que houve em todo o Irã foram estes grandes protestos fúnebres que eram comparáveis aos de Fidel Castro. Foi enorme. Foi grande. Foi da mesma forma que a Venezuela venerou Hugo Chávez, os iranianos veneraram… grande segmento de iranianos veneraram Qasem Soleimani. E foi uma época em que de repente viemos com hashtags do Irã, 3ª Guerra Mundial, Irã contra EUA, vingança dura e os ataques aéreos que literalmente aconteceram sobre as bases americanas, nós fizemos isso mais tarde. Não foi justificado. Claro, é assassinato. Mas o que acabou por ser uma vitória não só para os EUA, mas também para o governo iraniano. Para começar, os EUA eliminaram um tomador de decisões chave na região. Sem Qasem Soleimani há um vazio claro, mas Qasem Soleimani não era uma figura individual responsável por este sistema deste pessoal militarizado. Ele era um indivíduo que agiu como a face do sistema. O sistema, a força Quds, tem uma estrutura muito mais complexa do que apenas uma pessoa sendo o pivô dele e tudo está girando em torno dele. A força Quds é operada a partir de dentro do Irã, mas no estrangeiro. O que quer que seja um coordenador da estratégia ou da sua tomada de decisões, não está na Síria. Não está num carro, à espera para ser alvejado  com um ataque aéreo num aeroporto. Está sentado no Irã, a tomando decisões numa parte segura do país. E enquanto isso ainda for um aspecto real da força Quds, eles vão contra os EUA, e seus aliados não vão se livrar deles em breve. A vitória da morte de Qasem Soleimani para o Irã foi que ele galvanizou a população. Os iranianos foram muito pressionados pelas sanções económicas, pelas taxas de inflação. E em algum momento, penso que em Novembro, os preços da gasolina subiram 200%. E houve este grande, grande protesto por todo o país. E tivemos 1500 iranianos mortos durante estes protestos, pelas mãos do governo. Então, o governo ficou muito antagonizado e todos os desprezavam completamente. Mas a morte de Qasem Soleimani, como se fosse uma espécie de reanimação, devolveu um pouco de vida às pessoas, encontrando solidariedade com alguns membros do governo. Se, hipoteticamente, o assassinato de Qasem Soleimani ocorresse antes do aumento dos preços da gasolina, digamos, em meados de 2019 O apoio teria sido ainda mais gigantesco e muito mais iranianos teriam corrido para as ruas. Iria até o ponto de muitos iranianos que iriam querer entrar em guerra pela morte de Qasem Soleimani, por causa da vingança por ele.

Giovanny: A resposta do Irã ao assassinado de Soleimani foi proporcional?

Kashvad: A resposta do Irã ao assassinato foi conduzir ataques a uma base aérea americana, chamada Al-Assad. Proporcional? Absolutamente não. Nunca teve o propósito de ser proporcional. Eu recomendaria que se contivesse de qualquer envolvimento em mais conflitos como como cidadão iraniano. E eu não recomendaria medidas proporcionais. Medidas proporcionais ao assassinato de Qasem Soleimani seria o assassinato de Donald Trump. É esse o nível de gravidade da decisão que foi tomada pelos EUA. Mas estou feliz que não tenha acontecido. Agora, os ataques aéreos que aconteceram na base aérea americana deviam demonstrar apoio do povo iraniano “Oh, o nosso governo está nos apoiando e está tentando dar um tapa na cara dos americanos’. Mas o que acabou por fazer foi a Guarda Revolucionária, o governo iraniano, derrubar um avião de passageiros. Isto é ridículo. Morreram 173 iranianos naquele avião de passageiros. Outro único americano morreu na base aérea americana que eles tinham atacado. A forma como eles retrataram isso na mídia iraniana foi uma piada completa. Eles disseram que havia cerca de 200 feridos e 800 mortos. Na verdade, não inventando isso. Na mídia iraniana eles disseram que a maior luta de Trump agora é esconder 800 cadáveres do público americano. Não houve pessoas mortas. Eles fizeram ataques, quando os americanos estavam nos abrigos. E os americanos estavam nos abrigos porque foram informados de que os ataques deveriam acontecer naquela altura.

Giovanny: Eles também informaram o governo iraquiano.

Kashvad: Bem, sim. Nós podemos ver que…

Giovanny: Quero dizer que o governo iraniano informou o governo iraquiano, claro que eles diriam aos americanos. Mesmo que eles não tivessem este sistema de alarme que o Trump disse que eles tinham.

Kashvad: Sim. Então, não foi exatamente a mesma proporção. Foi apenas… isto foi uma grande bofetada na cara da República Islâmica e a única maneira de eles voltarem foi com um pequeno soco e fugiram. E depois dispararam contra o avião do Irã. Isto foi… podemos fazer campanha contra a morte de Qasem Soleimani durante uma semana inteira a dizer “vamos nos vingar duramente de todo o Ocidente”. ‘Vamos livrar o Oriente Médio deles. Vamos limpar a região com o sangue deles, bla bla bla’. Esta propaganda agressiva, e o único sangue que derramaram com sua dura vingança foi o sangue de 173 iranianos e muitos estrangeiros em um avião de passageiros… o que ainda é motivo de protesto no Irã. Nem sequer foi uma semana adequada desde a morte de Qasem Soleimani. Iranianos durante estes protestos que estavam acontecendo contra este tiroteio do avião de passageiros estavam arrancando as fotos de Qasem Soleimani das ruas, queimando suas fotos, andando sobre a bandeira iraniana, curiosamente. Está virando uma confusão que foi engraçada de observar de fora. Tipo ‘o que acontecendo? O que são iranianos? Porque eles estão fazendo isto? Eles estavam idolatrando a morte deste cara. Não, eles estão rasgando as suas fotografias’… é bastante confuso.

Giovanny: Se os Estados Unidos entrarem em guerra contra o Irã, como… como, é claro, é completamente desequilibrado. Quero dizer, os EUA são uma superpotência. Eles têm muito apoio da Arábia Saudita, de Israel ali mesmo. Eles têm muitas bases militares por perto. Mas ainda assim uma campanha militar nunca é fácil e tem muito… é muito impopular, pelo menos para pessoas decentes que são contra matar outras pessoas sem razão. Mas, quero dizer, às vezes uma guerra tem um benefício muito caro mesmo para as superpotências. Isso já aconteceu com o Vietnã em algum momento. E também pode ser o caso de não terem invadido ainda a Venezuela, por exemplo. Criar uma grande bagunça e você luta para ver se você pode sufocá-los economicamente primeiro, não há outra maneira talvez de se envolver em uma ação militar. Qual seria a dificuldade dos americanos em dominar militarmente o Irã?

Kashvad: Tudo bem. Então, existe uma coisa chamada ‘Desafio do Milênio 2002’. Foi um jogo de guerra. Uma simulação de guerra. O mais caro realizado na história militar dos EUA. Foi uma simulação de guerra do time azul contra o time vermelho. O vermelho da equipe é uma potência dominantemente montanhosa no deserto, com menor poder naval. E o azul da equipe é essa potência tecnológica avançada que tinha blindados avançados, armas avançadas e assim por diante. E o objetivo do jogo era, para o time azul encontrar maneiras de derrotar o time vermelho. O resultado disso foi, identificado como o time azul, os EUA e o time vermelho, supostamente, o Irã. E toda a simulação deveria estimular os americanos a entender como seria uma luta com o Irã. No final da simulação, o time vermelho resistiu aos avanços do time azul. E toda vez que havia uma luta costeira, o time vermelho, o time iraniano, usava esses turbos e os pequenos barcos tripulados para atacar os navios e os maiores poderes navais que eram mais lentos em movimento e mais lentos em manobras. E todo o cenário do ‘Desafio do Milênio 2002’ acabou criando a idéia de que uma guerra com o Irã pode ser desastrosa. Primeiro de tudo, se a simulação nos dissesse alguma coisa, não seria uma vitória americana. Nem sequer fez um desembarque adequado. Realisticamente, em um cenário real, eles novamente não são capazes de fazer isso porque o Irã é mais montanhista que o Afeganistão. O Irã tem bases subterrâneas militarmente avançadas. Existem abrigos para os militares subterrâneos que foram cavados com a mesma idéia fundamental da cidade Ho Chi Minh. Túneis foram cavados para a defesa da população. E havia realmente esse ditado na embaixada americana, depois que os iranianos tomaram o poder em 1979 … 1975. Dizia ‘O Vietnã te machucou, o Irã vai enterrá-lo’. E isso foi em resposta aos EUA iniciando uma agressão militar contra o Irã naquele tempo. Estritamente militar, acredito que tecnológica e financeiramente, os EUA podem dominar o Irã, mas para dominar o Irã militarmente, é preciso avançar para dentro do país. E isso não é algo tão facilmente possível. Primeiro, a geografia montanhosa do Irã não permite que um país estrangeiro avance facilmente para o Irã. E agora, neste momento específico, o Irã tem especialmente essa enorme força de defesa e infraestrutura defensiva que está  sendo preparada há 40 anos contra uma agressão estrangeira, principalmente pela Arábia Saudita e pelos Estados Unidos. Então, o Irã está preparado para a defesa? Claro que sim. Ele pode se defender o tempo suficiente? Talvez. Mas, novamente, não vejo uma perspectiva de conflito entre os dois porque há duas relações internacionais em jogo. Por um lado, o Irã tem a Rússia e a China como aliados muito próximos e eles não se sentariam calados para ver um parceiro comercial e militar sendo pressionado ou sendo dominado pelos EUA. A Rússia definitivamente não permitiria que outro fantoche dos EUA ficasse em sua fronteira sul no Cáspio. Em segundo lugar, o Irã não se limita apenas às fronteiras contemporâneos do Irã. O Irã tem esse eixo de influência e poder atingindo principalmente do Líbano do Mediterrâneo ao Afeganistão, tem essas células e pessoas que foram doutrinadas ao clero xiismo para acreditar que o líder supremo iraniano é uma figura divina que não pode ser tocada por ninguém. Esses fundamentalistas são criados com o mesmo objetivo do ISIS para a Arábia Saudita. Para não dizer que eles são comparáveis ​​em brutalidade, mas estão adormecidos ou algo assim. Eles não estão ativos, mas existem. Em uma agressão ao Irã, esse grande número de fundamentalistas subitamente surgiria de toda a região em defesa da jihad islâmica. E voltando novamente à jihad islâmica, trata-se de uma idéia completa da política universal, que é algo que a ONU realmente deseja implementar, mas dentro do mundo islâmico a jihad é uma espécie de cruzada. É uma idéia de nação não ser considerada contra uma religião … no caso de um conflito religioso. Se é um país muçulmano sendo emboscado por uma potência estrangeira, particularmente agora, o antagonista dos Estados Unidos, que acabaria fazendo é verificar todos os radicais de fora do Irã em direção ao Irã. Reuniria mais apoio internacional popularmente para os iranianos e para o Irã contra os EUA. Agora, mesmo nos EUA, as pessoas cresceram muito contra isso. Não que isso tenha feito alguma diferença para os americanos que decidiram invadir a Líbia em 2011, mas o que vemos agora é que todo candidato democrata que está indo contra Trump, está pregando contra o envolvimento de qualquer forma de conflito formal contra o Irã e, em vez disso, usando medidas diplomáticas para mediar a solução. Esta é uma boa perspectiva. Esta é uma perspectiva que nos diz que o conflito é amplamente evitável. E espero que se mantenha assim por todos os meios políticos e diplomáticos para evitar conflitos. Mas, novamente, em uma perspectiva mais longa, existem muitos obstáculos para os EUA sequer imaginarem como seria uma luta com o Irã. Eu não acho que eles realmente queiram arriscar a estabilidade de toda a região apenas para testar quais são os limites do Irã. Embora, se quisessem, daria gargalhadas porque não pode prever um milagre..

Giovanny: Você teria alguma última consideração  ou alguma mensagem para os nossos ouvintes no Brasil?

Kashvad: Sim. No Irã, sempre tivemos esse estigma. Se houvesse uma reunião de família, sempre haveria kebabs, muita carne, muita comida saborosa nas lembranças. É muito um princípio em nossa cultura ter carne especialmente. E, curiosamente, a forma mais luxuosa de carne no Irã foi realmente importada do Brasil. E se houvesse uma reunião de família em que duas famílias lhe convidassem para a mesma reunião ao mesmo tempo, elas perguntariam qual delas tinha carne brasileira e a uma que tivesse produtos brasileiros em casa. Brasil e Irã são continentes separados. As culturas – muito diferentes. Os valores religiosos – muito diferentes. Mas havia uma parceria econômica em um ponto. E o acordo com o Irã de que facilitar as sanções por um tempo que permitiu à população iraniana respirar com facilidade foi em grande parte graças a Lula e ao governo brasileiro que iniciou esse acordo. Ele foi um dos principais defensores do acordo. Essas parcerias que eram improváveis ​​por causa da diferença cultural e assim por diante não são algo que se perde no mundo da política. Não com diplomatas e políticos adequados no comando. Não sei dizer em que direção o Irã está indo, se será mais moderado ou mais fundamentalista no futuro, porque é uma conjuntura crítica muito incerta que experimentamos neste momento. Mas o que espero, em relação ao Brasil, é novamente fronteiras mais próximas de … laços de amizade e comércio econômico entre os dois. Não tenho certeza de qual era a percepção dos iranianos, qual é a percepção dos brasileiros do Irã e dos iranianos. Mas no Irã, os produtos do Brasil são muito venerados como qualidade de luxo. O time de futebol mais popular do Irã, o time socialmente adotado no Irã, é o time do sul Abadan. Eles vestem a mesma camisa do time brasileiro e, sempre que jogam em qualquer outra cidade, as pessoas da cidade vêm apenas para torcer por eles, porque se assemelham à equipe brasileira. Agora, pela imagem iraniana, o Brasil é um destino muito popular. Não apenas como turismo, mas um destino para estudar, algo a ser explorado. E espero que, com melhores descrições do meu país, no futuro, essas trocas sentimentais possam se familiarizar novamente, possam ser correspondidas por ambos os lados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *